A saúde mental mantém uma relação intrínseca com o bem-estar geral, refletindo-se, por exemplo, na capacidade de experimentar a satisfação e harmonia, abordar construtivamente adversidades, gerir de forma positiva desafios e conflitos, bem como reconhecer e respeitar as próprias limitações.

 

Mas, afinal o que é a Saúde Mental?

A área da saúde subdivide-se em dois tipos: a saúde física e mental. A primeira é muitas vezes visível e, por isso, é geralmente mais valorizada. Em contrapartida, ainda que a saúde mental possa ser mais facilmente dissimulada, isso não implica que esta deva ser negligenciada. Até porque, estima-se que cerca de 30 em 100 pessoas sofrem ou poderão vir a ter problemas de foro psicológico, e que cerca de 12 têm uma perturbação mental grave. 

A saúde mental engloba um estado de bem-estar psicológico que capacita os indivíduos a enfrentar o stress do quotidiano, desempenhar as suas atividades, assimilar conhecimento e desempenhar as suas funções laborais, entre outras tarefas. Esta é uma componente que sustenta a forma como são tomadas as decisões, construímos e fortalecemos relações e vemos o mundo. O bem-estar psicológico representa um direito humano fundamental, essencial para o desenvolvimento tanto do indivíduo quanto da comunidade.

 

Diagnóstico e Intervenção

A psiquiatria é uma vertente de medicina responsável pelo diagnóstico e tratamento de transtornos mentais e de comportamento. Com base nesta premissa, torna-se imprescindível a prevenção, diagnóstico, tratamento e reabilitação de diversas condições de saúde mental.

Os psiquiatras possuem o conhecimento especializado necessário para avaliar os sintomas, o histórico médico e os fatores psicossociais, permitindo um diagnóstico mais detalhado. Quanto mais precoce for o diagnóstico melhor será a perspetiva de recuperação, potencializando significativamente as perspectivas de recuperação.

 

Redução do estigma e promoção da educação

A psiquiatria desempenha um papel fundamental na mudança de paradigmas em torno das doenças mentais. 

Isto porque, tem o poder de educar a sociedade sobre a cerne destas doenças e de criar um ambiente de aceitação e apoio, permitindo com que as pessoas procurem ajuda sem medos ou julgamentos . O preconceito em torno deste tema faz com que milhares de pessoas não tenham o tratamento adequado, o que é prejudicial não só para elas como também para quem as rodeia. 

Em Portugal, uma em cada cinco pessoas sofre de uma perturbação mental. Somos, por isso, o segundo país da Europa com maior prevalência de doenças psiquiátricas. Este quadro desanimador mostra a urgência que existe em falar deste assunto e de educar o máximo de pessoas para que estas não tenham receio em procurar ajuda, procurar ajuda simboliza autocuidado. 

Assim sendo, a psiquiatria promove a consciencialização sobre a importância da saúde mental, ao desmistificar as informações que colocam em causa a sua importância. 

 

Abordagens terapêuticas 

Existem várias formas de gestão e auxílio no tratamento de distúrbios mentais. Cada paciente, após uma avaliação à sua condição, é aconselhado a seguir uma das seguintes terapias ou uma combinação de duas ou mais.

  • Terapia com medicação;
  • Terapia Cognitivo-comportamental;
  • Terapia de Grupo;
  • Psicoterapia;
  • Psicanálise;
  • Behaviorismo.

 

Ao longo do processo terapêutico, o paciente irá notar várias mudanças consoante o seu quadro clínico, tais como: 

  • Melhoria nas habilidades de comunicação;
  • Padrões de pensamento mais saudáveis e maior sensibilidade para reconhecer pensamentos negativos; 
  • Melhor compreensão sobre os eventos que ocorrem na vida; 
  • Capacidade para fazer escolhas mais saudáveis;
  • Abordagens mais eficazes para lidar com o stress; 
  • Fortalecer os laços familiares.

 

Valorizar e investir na psiquiatria, é investir no bem estar individual e coletivo. Tenha-se como prioridade, contacte-nos e agende uma consulta.